Ganso e Diego Souza são as atrações do Flu x Botafogo deste domingo

Clássico mais antigo do Rio de Janeiro, Fluminense e Botafogo se enfrentam neste domingo, às 19h, pela 363ª vez com novas velhas histórias. Do lado tricolor, Ganso, novo camisa 10, disputa o primeiro jogo contra o rival. Já os alvinegros têm uma estreia de verdade: Diego Souza, contratado para ser a estrela da companhia e que recebeu o mítico número 7. E os dois jogadores têm algo em comum: costumam ir bem em clássicos.

Diego está de volta. O Botafogo é o quarto grande clube do Rio de Janeiro na carreira deste velho conhecido do futebol carioca. O jogador reencontra o Fluminense, equipe que o revelou para o futebol. Já Paulo Henrique Ganso terá a chance de provar que costuma aparecer bem em grandes jogos. Por Santos e São Paulo, o meia marcou oito vezes em jogos contra rivais.

A estreia de Ganso em clássicos foi contra o Palmeiras, pela semifinal do Campeonato Paulista de 2009. Se não brilhou, o meia mostrou que é pé quente: o Santos venceu de virada e chegou à final.

No mesmo ano, com dois gols sobre o Corinthians, o camisa 10 se colocou de vez entre as grandes revelações do país.

Ainda sem o sobrenome que lhe deu a fama, Diego estreou pelo Fluminense em 2003, na Copa Sul-Americana, sob a batuta de outro personagem tradicional do futebol carioca: Joel Santana. À época, o menino de 18 anos atuava bem mais recuado, como volante. O passar dos anos foi o empurrando mais para a frente. Hoje confortável como centroavante, Diego Souza já não tem mais o vigor físico de antes, mas segue como uma referência técnica.

Pelo Vasco, Diego já marcou contra o próprio Botafogo, em sua estreia, e contra o Flamengo. Já no rubro-negro, deixou sua marca sobre tricolores e cruz-maltinos. Agora no alvinegro, ele espera ter a mesma sorte em duelos contra rivais.

Se em números o retrospecto coletivo não é tão bom, Ganso teve um ótimo início. Com a camisa do Santos, fez de São Paulo e Corinthians as principais vítimas, com gols e vitórias. Pelo Santos, os 51% de aproveitamento não contam toda a história: o meia foi tricampeão estadual em 2010, 2011 e 2012, eliminando o tricolor paulista em todos os anos e vencendo o Corinthians na final que valeu o bicampeonato estadual.

Agora, ele espera repetir a dose no Rio de Janeiro, pelo Fluminense, atuando contra Flamengo, Vasco, e, claro, Botafogo, o primeiro rival que enfrentará.