Felipes Nasr e Derani vencem as 12h de Sebring com o Cadillac DPi

Festa brasileira em uma das mais tradicionais provas da endurance internacional. Depois de meio dia de chuva, pista seca, condições instáveis e uma batalha monstruosa definida apenas nas voltas finais, Felipe Nasr, Pipo Derani e o norte-americano Eric Curran venceram a edição 2019 das 12h de Sebring, segunda etapa da IMSA Weathertech Series com o Cadillac DPi V.R #31 da equipe Whelen/Action Express. O primeiro triunfo do brasiliense na clássica da Flórida, e o terceiro do paulista, depois de dominar as edições 2016 e 2018 com o Nissan do time ESM Tequila Patrón.

Uma tempestade acabou adiando o início da corrida em 40 minutos e os carros iniciaram a disputa atrás do safety car. Com pneus biscoito e a sujeira nos trechos de concreto, o desafio foi se manter no traçado e se ajustar às condições. Sem o mesmo rendimento mostrado com tempo bom, tanto o Acura DPi #6 pole com Dane Cameron quanto o #7, de Hélio Castroneves, perderam terreno. Na frente, Cadillacs e Mazdas duelavam, sempre com distâncias reduzidas.

A primeira vítima entre os favoritos foi o Mazda #77, com um princípio de incêndio (mesmo problema verificado em Daytona). Enquanto isso, os dois Cadillacs da Action Express; o #10, da Wayne Taylor Racing, e o #84, da JDC Miller Motorsports, se mantinham na mesma volta. Pensando nos pontos para o North American Endurance Championship (NAEC) oferecidos ao fim da quarta hora, Nasr permaneceu na pista em primeiro, optando por voltar aos boxes passado o terço da disputa.

Com poucas neutralizações, o ritmo de prova permaneceu intenso e, enquanto os Acuras tentavam se recuperar, o Cadillac #5 Mustang Sampling/Action Express seguia no encalço do companheiro de equipe, com Brandon Hartley acelerando forte. Nos últimos stints, no entanto, o carro perdeu rendimento e transformou a disputa pela vitória em um duelo entre o #31 e o #10. Ambos com a faca nos dentes, Nasr e Jordan Taylor se mantiveram próximos e a bandeira amarela mostrada a apenas 20 minutos do fim (quebra da suspensão da BMW M6 GT3 #96) só deixou o desfecho ainda mais imprevisível. Mesmo com uma vantagem que impedia erros, o brasileiro conseguiu manter a ponta para cruzar a linha na frente. O #5 confirmou a terceira posição

Na GTE, repeteco do resultado do ano passado, com domínio da Porsche 911 RSR #911, de Nick Tandy, Fred Makowiecki e Patrick Pilet, com um último stint perfeito do neozelandês, levando a melhor sobre o Ford GT #66 de Joey Hand, Dirk Müller e Sebastien Bourdais e o Corvette #3 de Antonio Garcia, Jan Magnussen (pai de Kevin) e Mike Rockenfeller.

E na disputa da GTD, tanto a Mercedes AMG GT3 #31 de Felipe Fraga/Jeroen Bleekenmolen/Ben Keating quanto o Acura NSX #57 de Bia Figueiredo/Katherine Legge/Christina Nielsen chegaram a ocupar a liderança, mas terminaram, respectivamente, em quinto e oitavo lugares. Como tem sido habitual, os Huracán GT3 fizeram a prova ficar à sua feição justamente na fase final, com novo triunfo do #11 do Grasser Racing Team, que já havia vencido em Daytona, com Mirko Bortolotti/Rik Breukers/Rolf Ineichen, à frente do #44 da Magnus Racing (Andy Lally/Spencer Pumpelly/John Potter).

12h de Sebring

IMSA Weathertech Sportscar: segunda etapa

Resultado extra-oficial