Em forma de protesto, Inter faz jogada para aumentar pressão no Grêmio

O Inter abalou todo contexto do Gre-Nal. Ontem, o presidente Marcelo Medeiros convocou entrevista coletiva e informou que o time utilizado seria reserva, em protesto pela suspensão de Nico López ocorrida na quinta-feira. E a opção atinge até o Grêmio.

O técnico Renato Gaúcho, pela manhã, havia dito que montava sua estratégia de jogo mostrando o vídeo da última partida do Inter para seus jogadores. O duelo contra o Alianza já era analisado pelos gremistas para procurar as falhas dos setores do Inter.

“Tive duas reuniões com grupo, acertei no vídeo, não é porque nós fazemos isso porque perdemos. Quando ganhamos também fazemos. É para corrigir, ganhando, empatando ou perdendo eu sempre converso com o grupo, o que acertamos e erramos, é meu trabalho”, disse Portaluppi, que em outra manifestação não escondeu que era o último jogo que esteve em pauta nas reuniões de seu grupo.

Mal sabia ele que horas mais tarde, Medeiros iria revelar que nenhum daqueles jogadores vai participar do jogo. Surpreendendo a todos, o presidente do Inter disse que o clube aposta na “força do grupo”.

“O Internacional historicamente é o clube que sempre se manifestou a favor do Estadual. Sempre valorizou a nossa competição, e sempre se orgulhou de ser o maior campeão dos títulos regionais. A decisão de ontem é um golpe na nossa tradição, fere o nosso torcedor, e tira a qualidade de uma rivalidade que nós enaltecemos como uma das maiores do mundo. O Internacional no próximo domingo não utilizará a equipe que entrou em campo na última quarta-feira. Utilizando, como vem fazendo, a força de seu grupo”, disparou Medeiros.

E a decisão impacta também no perfil dos que entrarão em campo. Na avaliação do presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, o time reserva do Inter pode ter menos pressão pelo resultado, atuar “mais leve” e todo este contexto precisa ser levado em conta.

“Se o time reserva tem compromisso com resultado, se não tem, se o time reserva vai mais leve, tudo isso vai aparecer, não há a menor dúvida. Isso vai surgir e temos que saber enfrentar essas coisas. Isso dá um molho, um tempero, outra situação no jogo e temos que trabalhar isso muito bem. Não desconfio que isso fique se tratando até lá”, disse à Rádio Bandeirantes.

A responsabilidade gremista também pode aumentar. Uma vez contra os suplentes do rival, o favoritismo, já atribuído ao Tricolor pelo técnico Odair Hellmann, se torna evidente. “O favorito é o Grêmio”, disparou após a partida contra o Alianza Lima, na quarta.

Já ao Inter, o cenário também foi abalado. Não só pela substituição de 11 jogadores, mas pelas dúvidas geradas no enfrentamento. A tendência de equipe aponta atletas que poucas vezes jogaram juntos.

A base da equipe é a mesma que encarou o Aimoré, porém sem D´Alessandro, que deve ficar fora por conta do desgaste, e Sobis, agora titular. Rithely deve aparecer no meio com Sarrafiore deslocado para direita. Assim, os 11 iniciais seriam: Daniel; Bruno, Roberto, Emerson Santos e Uendel; Lindoso, Rithely, Nonato, Sarrafiore e Neilton; Pedro Lucas.

Mas as dúvidas seguirão até o duelo das 19h (de Brasília), no domingo, na Arena. Tanto em escalação quanto em comportamento das duas equipes com este novo ingrediente acrescentado pelo Colorado.