Da sombra de Gum a 'Maldini' do Flu: Matheus Ferraz supera as críticas

A contratação de Matheus Ferraz pelo Fluminense foi anunciada oficialmente no dia sete de janeiro e os comentários foram pouco positivos. Não faltaram críticas, seja pela sua idade ou pelo rebaixamento junto ao América-MG. Dois meses depois, deu a volta por cima e está conquistando a confiança da torcida. Ao LANCE!, o zagueiro falou sobre o fato de chegar contestado e também sobre o peso de assumir a camisa 3 – sendo, inevitavelmente, comparado com Gum, que havia deixado o clube na mesma época.

– Gum foi um jogador importante, ficou dez anos aqui, conquistou muitas coisas. Eu vim para ajudar e construir a minha história. Espero ter uma trajetória tão bonita quanto a que ele teve porque isso vai significar que, assim como o Gum, terei feito um bom trabalho no Fluminense. Eu também tenho experiência e espero contribuir da melhor maneira possível para o grupo. Vamos todos construir uma nova história e esperamos que ela seja também gloriosa – declarou Matheus Ferraz – antes de completar:

– Cobrança sempre vai existir. Ainda mais num clube grande, como é o Fluminense. Eu estou preparado pra essas cobranças, até porque eu mesmo me cobro muito para fazer sempre o melhor. Aprendi cedo que, no futebol, o elogio não quer dizer que está tudo certo, assim como a vaia não quer dizer que está tudo errado. É preciso ter convicção no trabalho. Acreditar que se pode melhor sempre, independentemente se a fase da equipe é boa ou não.

Antes criticado, hoje titular incontestável. Matheus Ferraz se firmou na defesa, se adaptou ao estilo de Fernando Diniz e, ao lado de Digão, formou a dupla de zaga menos vazada do Rio de Janeiro nesta temporada. Boa fase que rendeu apelidos. Os mais conhecidos deles foram os de “Maldini Tricolor”, devido a faixa que usa na cabeça durante os jogos, e o de zagueiro-raiz, pela chuteira preta que utilizava.

– Antigamente a chuteira preta era mais usada né? E eu acho que ela faz mais o meu estilo. Sou mais discreto. Eu até tenho uma que não é preta, de uma parceria, eu uso. Mas quem sabe eles não criam uma toda preta de novo? Nem que seja só pra mim (risos). E o Maldini é uma grande referência pra mim. Muito bom ser lembrado e comparado com ídolos nossos. Motiva a gente a ser cada dia melhor. E eu levo super na boa estas brincadeiras, pois o futebol precisa disso, dessa descontração. No vestiário então…. – brincou.

Além disso, são dois gols marcados nesta temporada. Mas, o período goleador no Fluminense é algo que marca o zagueiro durante toda a carreira – seja durante a sua passagem pelo Sport, entre 2015 e 2017, ou pelo Criciúma, entre 2012 e 2014. Orientado pelo técnico Diniz, o “tio” revela que rola até brincadeira com o atacante devido a fase artilheira.

– O Diniz passa muita confiança pra todos nós. Na equipe eu tenho a responsabilidade de não permitir que o adversário faça gols, mas ressaltamos sempre que todos atletas precisam estar preparados para decidir o jogo a nosso favor. Por tudo isso, eu acredito que fica mais tranquilo ajudar lá no ataque também. E sobre as brincadeiras, o tio aqui também sabe fazer gol, né (risos) – brincou.

BOA FASE DA DEFESA DO FLUMINENSE

O Fluminense conta com seis zagueiros no elenco. Ferraz é titular ao lado de Digão, mas, com a lesão do companheiro, terá que remontar a defesa. Léo Santos e Nino são os favoritos para ocupar a vaga, mas será necessário uma nova adaptação pelas características dos reforços. A expectativa é que os números sigam positivos ao longo de 2019.

– Isso é resultado de um trabalho sério e esses números refletem um rendimento do nosso sistema defensivo que envolve a equipe como um todo. O equilibro da equipe é um ponto fundamental que o Diniz sempre busca a cada partida. Fico feliz pelo nosso rendimento, mas ainda tem bastante futebol pela frente na temporada. Que possamos manter a nossa força defensiva para ficar mais perto que o adversário da vitória – declarou, antes de completar:

– Todos querem fazer o seu melhor para disputar a titularidade. Fico muito tranquilo sobre isso, pois precisamos de jogadores como eles. Cada zagueiro tem suas características principais. Estou conhecendo eles ainda, mas muito feliz por estarem conosco.

Ao analisar este início de passagem pelo Fluminense, Matheus Ferraz prefere deixar de lado o termo “volta por cima na carreira” e usa o termo “objetivo” para pensar no restante da temporada. O zagueiro deseja retomar o caminho das conquistas.

– Tenho 13 jogos e dois gols. Eu vejo como uma nova oportunidade de mostrar o trabalho do Matheus e poder fazer uma história diferente e num gigante do futebol nacional. Considero que é um início bom, mas meu objetivo é maior. Quero vencer com o Fluminense e ajudar o clube e meus companheiros a retomar seu caminho de conquistas.

Lance!