Cantor de K-pop se afasta da música após escândalo de prostituição


O cantor coreano SeungRi, integrante da BIGBANG, uma das boyband de k-pop mais famosas da Coreia do Sul, anunciou que vai se retirar do mundo da música, após ser acusado de contratar prostitutas, como forma de suborno, para investidores empresariais, informou a BBC.

SeungRi, de 28 anos, deixará o grupo, que vendeu mais de 140 milhões de discos desde a sua estreia em 2006, e é conhecido como o Rei do K-Pop.

“Decidi me afastar porque a polêmica é grande”, alegou, negando as acusações.

O cantor, cujo nome verdadeiro é Lee Seung-hyun, já havia cancelado todos os compromissos planejados para fevereiro e os shows de março de sua turnê solo.

Em uma declaração em seu Instagram com mais de 9 milhões de seguidores, ele se desculpou com seus fãs e prometeu ‘participar sinceramente das investigações de todas as denúncias’, e afirmou que não voltará até que tudo esteja e seja esclarecido.

O suborno sexual no qual ele está envolvido foi descoberto por um jornalista que apresentou como prova um bate-papo em grupo através da plataforma KakaoTalk, aplicativo de mensagens digitais, em que o cantor compartilhava material íntimo de mulheres e conseguia prostitutas para os empresários que investiam em seu clube Arena, de Seul.

Na época, Seungri disse que o repórter havia fabricado as provas, mas de acordo com o portal Allkpop, a polícia já confirmou a verdade das mensagens.

“Após a análise das conversas do KakaoTalk, confirmou-se que o bate-papo realmente existia e que a conversa não foi fabricada ou manipulada”, disse a autoridade.