Abu Dhabi debate desenvolvimento

Política

O Presidente da República, João Lourenço, participa hoje, na cidade de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, onde se encontra desde ontem, no acto oficial de abertura da Semana da Sustentabilidade, a convite das autoridades locais.

Chefe de Estado está nos Emirados Árabes Unidos
Fotografia: Carlos Campos

O Chefe de Estado angolano participa também, como convidado de honra, na cerimónia de entrega do prémio Zayed para a Sustentabilidade, em Abu Dhabi.
Amanhã, o Presidente João Lourenço será orador na cimeira intitulada “O Futuro de África”, um evento de iniciativa das autoridades de Abu Dhabi, com a finalidade de debater o desenvolvimento do continente africano.
Segundo a Angop, a Cimeira Internacional sobre o Desenvolvimento Sustentável decorre até 19 deste mês, sob o lema “Convergência da Indústria na Aceleração de Desenvolvimento Sustentável”.
O Prémio Zayed de Sustentabilidade é uma homenagem ao legado do falecido fundador dos Emirados Árabes Unidos, Zayed bin Sultan Al Nahyan, defensor da administração ambiental e da sustentabilidade global. O prémio anual engloba cinco categorias: Saúde, Alimentação, Energia, Água e Escolas Secundárias Globais.
Organizado pela Masdar, Holding de Desenvolvimento Sustentável de Abu Dhabi, o encontro conta com a presença de líderes mundiais ligados às políticas públicas e com investidores, que vão discutir e buscar soluções para os desafios do sector da energia. Entre os expositores estarão empresas da Jordânia, Marrocos, Bahrein, Arábia Saudita, Líbano, Estados Unidos, África do Sul, Coreia do Norte, Japão, Reino Unido, Holanda, França, Canadá e Colômbia.
À margem do evento, está agendada a Cúpula Mundial da Água sobre o uso de recursos hídricos em regiões áridas e os desafios da gestão de resíduos no Médio Oriente.
Está ainda programada a 4ª Assembleia da Agência Internacional de Energia Renovável e a Conferência de Empregos em Energia Renovável. Os organizadores esperam receber cerca de 30 mil visitantes das áreas de energia e ambiente, na amostra que deve contar com 800 expositores de 40 países e 250 palestrantes.
A República de Angola abriu, em 2004, a sua primeira representação diplomática nos Emirados Árabes Unidos (EAU), com um Consulado Geral. Passados quatro anos,

evoluiu para Embaixada.
Angola e os Emirados Árabes Unidos são membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e rubricaram dois acordos, em Junho de 2015, sendo um de cooperação económica e técnica e outro de criação da comissão mista entre os Estados. Os dois países cooperam nas áreas de Petróleo, Gás, Agricultura, entre outras.
Acompanham o Presidente da República nesta missão aos Emirados Árabes Unidos ministros e membros do seu gabinete.
Esta é a segunda deslocação do Presidente da República em cerca de três meses aos Emirados Árabes Unidos. A primeira ocorreu em Outubro do ano passado, durante uma escala em Abu Dhabi, depois de ter efectuado uma visita de Estado à China.
Na altura, João Lourenço teve um encontro com o sheik Hamdan Bin Zayed al Nahyan, príncipe herdeiro dos Emirados Árabes Unidos. Durante o encontro, o Chefe de Estado manifestou o desejo do país estreitar relações com os Emirados Árabes Unidos.
No mesmo mês, o Presidente João Lourenço recebeu, em Luanda, o sheik Ahmed Dalmook Al Maktoum, que manifestou o interesse do seu país em investir, nos próximos tempos, nos sectores ligados à Agricultura, Minas e Energia, com realce para a fotovoltáica.
Em declarações à imprensa no termo de uma audiência, Ahmed Dalmook Al Maktoum disse que o segundo sector em que o seu país quer cooperar com Angola e promover investimentos está ligado ao desenvolvimento da agricultura.
Neste sector, disse o sheik, o seu país pretende materializar a cooperação com grande presença tecnológica de referência internacional, o que, segundo ele, vai permitir implementar a actividade numa perspectiva de escala.
Outro sector de interesse para o investimento dos Emirados Árabes Unidos em Angola é o minério. Para Ahmed Dalmook Al Maktoum, este sector tem grande margem de crescimento no país. A cooperação com Angola, disse o sheik, vai permitir desenvolver ainda mais aquele sector nos próximos anos, caso as intenções   sejam concretizadas.