“Não sou racista”, diz torcedor do Tottenham que lançou casca de banana em campo

AFP

O torcedor do Tottenham que lançou uma casca de banana em campo na direção do atacante gabonês do Arsenal Pierre-Emerick Aubameyang, no domingo, pediu desculpas pela ato e se defendeu das acusações de racismo, informou nesta terça-feira o tabloide britânico The Sun.

LEIA MAIS:

Depois do São Paulo, Ricardo Rocha será dirigente no Criciúma em 2019

Jogadora denuncia que prêmio da Libertadores não chegará ao time feminino

Tite diz que não tem intenção de se encontrar com Jair Bolsonaro: “atividades não se misturam”

Barcelona e Real Madrid com classificação encaminhada na Copa do Rei

O incidente aconteceu durante o clássico londrino entre Arsenal e Tottenham vencido pelos Gunners por 4 a 2 no Emirates Stadium. Após abrir o placar de pênalti, Aubameyang comemorou o gol diante da torcida do rival e teve uma casca de banana jogada a seus pés.

“Não sou racista. Eu sou cipriota. Eu sou 100% não racista”, garantiu Averof Panteli, um homem de 57 anos que disse ao The Sun ser imigrante. “Juro pela vida dos meus filhos que não sou esse tipo de pessoa”.

Lançar cascas de banana contra jogadores negros é um gesto clássico de torcedores organizados fascistas na Europa, que costumam acompanhar o ato imitando macacos.

O Tottenham julgou este comportamento como “completamente inaceitável” e decidiu banir para sempre o torcedor envolvido no incidente.

Panteli se justificou pelo ocorrido: “O jogador do Arsenal estava exultante (…), acenava com a cabeça e nos aplaudia. Sem pensar, peguei a casca de banana do chão e joguei no campo. Não joguei nos jogadores”.

“Não apoio o que fiz e lamento. Liguei por telefone ao Tottenham para pedir desculpas”, completou o torcedor.

Panteli foi acusado formalmente de lançamento de projétil. A polícia julgou que não houve infração agravada racialmente.

Em 18 de dezembro, Panteli afirmou que irá se declarar culpado diante da corte.